Conhecendo Londres- Reino Unido

Viajar para a Inglaterra é como entrar em um livro de Contos de fadas. Castelos, Príncipes, Princesas, estradas milenares, Magos, Druidas, enfim, a história do mundo antigo encontra-se por toda parte.
Um dos países mais elegantes e visitados do Mundo.


Ao fundo o Big Ben

Localização:
O país faz fronteira com a Escócia ao norte e com o País de Gales a oeste; o Mar Irlandês está a noroeste, o Celta está a sudoeste, enquanto o Mar do Norte está a leste e o Canal da Mancha, ao sul, a separa da Europa Continental.  O país também inclui mais de 100 ilhas menores.

A Capital da Inglaterra é Londres e é dela que vou escrever pois é um dos destinos mais conhecidos no mundo e atrai durante todo o ano turistas pelo seu charme, história e pubs.
As cidades inglesas  pequenas como Bath e Oxford também são fascinantes com muita cultura e sem a multidão típica dos grandes polos turísticos.
Liverpool é a cidade de origem de grandes bandas como os Beatles, por isso se for fã vai querer ver o museu ao vivo. Para ficar dentro do orçamento têm de ter cuidado com os táxis e com os almoços e jantares nos restaurantes.

Londres é fascinante, mas muito cara, nos arredores consegue boas acomodações além de muitos lugares charmosos.
A língua falada é o Inglês, o sistema político é o Parlamentarismo, e a Família Real apesar de ter forte influência no Reino, inclusive na Economia, por ser um chamariz para o Turismo, não dá as ordens por lá há bastante tempo, pois no sistema Parlamentar, quem dá as ordens é o Primeiro Ministro.
A Moeda utilizada é a Libra Esterlina.

Desde 1689 o Reino Unido é regido por um sistema de monarquia constitucional, onde o rei ou rainha exerce o papel de chefe de estado, mas na realidade não manda. Todas as decisões são tomadas pelo Parlamento, liderado pelo primeiro ministro. Este sistema foi adotado após a guerra civil inglesa, único período em que a monarquia foi abolida. Após a guerra civil a monarquia foi restaurada com poderes limitados, sistema que perdura até hoje. Desde a restauração da monarquia a Inglaterra passou por diversos períodos, como Tudor, Stewart, Georgiano e Vitoriano, assim chamados em referência à linhagem familiar de cada ocupante do trono. Elizabeth II, atual rainha, é uma Windsor. Dentre todos estes períodos, um ocupa lugar especial na memória da nação, por sua prosperidade e elegância das vestimentas, o período Vitoriano, que durou de 1837 a 1901.




 

Conhecido como um dos países mais conservadores e mais pontuais do mundo, tem como um dos símbolos o BIG Ben, que é um sino, que fica em um relógio em uma torre de 96 metros, e com precisão no horário desde 1858.

 Os hotéis são bem caros, ficamos em um pequeno Hotel no Bairro de Nothing Hill, e dali fizemos pequenas turnês de Táxi ao centro. custou em média 100 Libras, mas, os hotéis mais baratos oferecem as mesmas condições por um preço que ronda 50£ por noite.
 
 É possível comer barato na Inglaterra. Pode comer um fish and chips ou kebab por algumas libras. Optamos em comer no Garfunkels, famoso e clássico, e fomos atendidos por brasileiros que nos deram altas dicas.Em alguns lugares pode encontrar comida indiana e asiática por 5£, comemos em um restaurante Chinês em frente a Roda Gigante London Eye e o atendente era Chinês mesmo, recém chegado, ele não nos entendia e nós não entendíamos ele, ficamos de olho nos lindos pratos dos outros, mas não conseguimos pedir nada muito bom, pois nossa comida não estava estas coisas, mas tiramos lindas fotos do interior do restaurante.


Na foto com os amigos Fábio Valverde (Empresário) e  Dyandreia Portugal (Artista Plástica e Jornalista) ao fundo, chiquetérrimo o Big Ben.





 Se optar por cozinhar vai custar cerca de 40 a 50£ para uma semana inteira. O que fica mais caro é comer em restaurantes bons que nunca fica abaixo das 20£ e depois das 22:00 terá dificuldade em conseguir boas opções para Jantar, a maioria dos PUBS só vende bebidas alcoólicas a noite.
Fomos a um pub, morrendo de vontade de beber uma cervejinha, o barman nos perguntou se queríamos um Pint ou um Half Pint (meio copo). Pedimos um Pint inteiro e como não conhecíamos nenhuma das marcas locais, pedimos uma cerveja autenticamente inglesa, e bem forte.

 O transporte dentro da cidade não é muito caro.

Caso chegue no aeroporto Heatrow prepare-se para o taxi ou pegue o Metrô como opção, se não estiver com muitas malas, quando cheguei no Heatrow fiquei a primeira Noite no ST.Gilles hollyday inn, que ficava bem próximo ao aeroporto e tinha um preço bem acessível.
O Outro Aeroporto é o Gatwick, e dele não tem Metrô para o centro, mas tem o Trem que faz o transporte com segurança e rapidinho.
 Os trens percorrem o trajeto sem escalas até a estação Victoria em 30 minutos e partem de Gatwick a cada 15 minutos, mas não há trens entre 1:35 e 4:35 da manhã. A estação do aeroporto está no terminal sul, perto da área de chegadas. Para quem chega no terminal norte, há um ônibus gratuito que leva à estação.  Passagens a partir de £17,70 (£31,05 para ida e volta) se adquiridas on-line.




 
 A maioria das cidades são suficientemente pequenas para fazer tudo a pé, apesar de nas cidades maiores como Londres ser necessário apanhar o ônibus. Os ônibus são baratos. Se comprar os bilhetes com antecedência pode ter tarifas tão baixas como 1£. Os bilhetes de Trem também devem ser comprados com antecedência caso contrário podem custar mais de 25£.

 A maioria das atividades são baratas, ver uma peça de teatro em Cambridge só custa 4£. Andar de canoa ou gôndola (punting) custa 3£, ir aos mais variados festivais de rua é de graça. Na Inglaterra a maioria dos  museus são grátis apesar dos castelos e outras atrações custarem por volta de 5£.

Dicas para Poupar na Inglaterra

Aproveite a Internet grátis. A maioria dos hostels e hotéis têm Internet grátis enquanto está alojado. As bibliotecas também tem Internet grátis.

Visite os museus grátis. Na Inglaterra os museus são grátis. É só procurar um pouco e vai encontrar grandes museus e conhecer os artistas mais influentes do país… isto tudo sem gastar um penny (centavos ingleses)!

Museus que são Pagos:



British Museum  
O Ideal era tirar um dia para visitar cada museu, mas o mais famoso, o  imponente é o Britsh  onde tem destaque os setores dedicados ao Egito, Grécia e Mesopotâmia. Não deixe de apreciar também a !Pedra Rosetta" , famoso monolito negro que, após séculos de pesquisa, permitiu à humanidade finalmente compreender e decifrar os hieróglifos egípcios.  



 

Visitando o Museu da Guerra: IMPERIAL WAR MUSEUM

en.wikipedia.org

Londres guarda neste museu a lembrança do que sofreu durante a segunda guerra mundial. Com a Europa dominada por Hitler, a Inglaterra enfrentou o momento mais difícil de sua longa história. De cada cinco prédios em Londres, um foi destruído pelos bombardeios nazistas. A cidade enfrentava carência de alimentos, roupas, medicamentos, não tinha energia elétrica durante a noite (os apagões eram obrigatórios, para desorientar aviões inimigos),  pessoas passavam a noite espremidas em estações do metrô (durante a noite desempenhavam a função de abrigos aéreos), famílias tiveram que enviar suas crianças para cidades do interior (para deixá-las a salvo dos ataques aéreos) e ninguém tinha certeza como seria o dia de amanhã. Cinco anos após, quando as lutas chegaram ao fim, o país estava falido, mas havia vencido a guerra e continuaria a existir como nação independente.
Com uma história dramática dessas é natural que Londres tenha também um museu dedicado à guerra, como forma de homenagear aqueles anos difíceis e a todos que lutaram. E esta função é desempenhada pelo Imperial War Museum. Quem for visitá-lo vai ficar impressionado com seu valioso acervo, composto por centenas de artefatos, vídeos, livros, figuras de cera, vestimentas, aeronaves, tanques de guerra, veículos de desembarque, armas raras e até as bombas V1 e V2, lançadas pelos nazistas em Londres.


Visite os monumentos mais famosos. Em Londres pode visitar o Big Ben e a mudança dos guardas no Palácio Real.

Certo, ninguém pode ir a Londres sem ver o Big Ben. Mas esqueça a idéia de ir lá em cima pois ele não tem plataforma de observação ou nada semelhante, e você só poderá observá-lo de baixo, tomando cuidado para não arranjar um torcicolo. Esta região da cidade, conhecida como Westminster (estação Westminster do metrô), onde estão alguns dos símbolos mais conhecidos da cidade, como o próprio Big Ben, Palácio de Buckingham, Parlamento, Abadia de Westminster e os parques St. James Park e Green Park.















Visitar a Troca da Guarda no domingo também não é uma boa, pois uma grande multidão se aglomera e vemos muito pouco.

Durante a cerimônia, um regimento chega marchando, assume a guarda do palácio, e o regimento anterior vai embora também marchando, ambos precedidos por bandas militares. A cerimônia dura cerca de 30 minutos e, para se ver algo, é essencial chegar bem cedo porque o local fica superlotado de turistas, mas sempre vale à pena uma visitinha..














Os guardas usavam o uniforme de Inverno quando visitamos.





Uma boa opção é Caminhar. Claro que andar muito cansa, mas entre as viagens de Trem e de ônibus  deve aproveitar e andar o máximo possível pelos bairros, parques e jardins. Se prestar atenção pode observar a essência do país e poupar centenas de libras que normalmente gastaria numa visita guiada.

Depois de deixar as malas no hotel vá para a Oxford Street. Todo visita a Londres não pode deixar de incluir esta via, ela própria um retrato da diferença de estilos da cidade. Aqui estão prédios históricos, lado a lado com prédios modernos, alguns de gosto duvidoso. Um trânsito intenso, calçadas apinhadas de gente, turistas aos montes, ônibus vermelhos nos dois sentidos, tradicionais táxis fazendo curvas de 180 graus no meio da avenida, restaurantes, lanchonetes, lojas tradicionais, quiosques para turistas, bancas de frutas, lojas de celulares, enfim... tudo. Esta é a rua onde se sente a cidade, se vê gente de todos os países e se percebe porque Londres é uma cidade global. Línguas, modas, estilos e costumes desfilam por suas calçadas, o dia inteiro.















Londres é muito bem servida de transportes públicos. Onde quer que se vá a gente encontrará os tradicionais ônibus vermelhos de dois andares. Mesmo quem não precisa andar num deles não deve deixar de experimentar. Eles não são somente transporte, na prática a viagem no segundo andar, de preferência no banco da frente (de onde se tem uma visão panorâmica de tudo) é uma delícia.  Os ônibus não tem trocadores nem roletas, e passageiros já devem estar de posse do bilhete antes de embarcar. Existem vários tipos de bilhetes, com preços, validade e área de abrangência diferentes, e geralmente eles podem ser comprados em bares, pubs ou bancas de revistas. Se não conseguir encontrar informe-se na portaria de seu hotel qual o local mais próximo onde você poderá comprar um Card. Nós temos preferido comprar passes da Oyster Card, que permitem utilizar todo o sistema de transporte da cidade. Ao terminar a vigência de seu cartão não o jogue fora, basta levá-lo a qualquer destes locais credenciados e adquirir mais créditos. De posse de um destes passes magnéticos, você simplesmente entra no ônibus, o aproxima da leitora, ouve um bip e pronto, sua viagem está liberada. Pode-se usá-los a vontade, quantas vezes quiser por dia, dentro do período de validade.


No Museu Madame Tussead :

Gente, nossa visita ao Museu de Cêra, foi incrivelmente divertida, ir em um Museu com tantas personalidades e ainda poder tocar nelas, foi muito bacana.
Tiramos muitas fotos divertidas e andamos em um trenzinho dentro do Museu que passava pelos subterrâneos contando a História da cidade, isso foi o mais interessante, visitamos o Museu de NY, mas não teve o mesmo Glamour que o museu londrino.



O museu  foi inaugurado em 1884, no local onde funcionava o antigo planetário de Londres. Todas figuras de cera são fabricadas artesanalmente, desde sua concepção até a moldagem final e no museu há uma área onde pode fazer suas mãos de cêra   As figuras de cera também permanecem em exibição obedecendo à moda e aos tempos. Algumas permanecem anos em exibição, enquanto outras são levadas para o depósito quando suas versões em carne e osso deixam de despertar interesse. Diversas outras tem que ser modificadas com o tempo, à medida que as pessoas que representam mudam de aparência (dizem que a figura de Michael Jackson foi a que deu mais trabalho à equipe do museu, e teve que ser substituída um número incontável de vezes). A criadora do museu foi Anna Maria Tussaud, francesa, nascida em 1761. Durante a revolução francesa ela foi encarregada de fazer máscaras mortuárias de personalidades famosas, inclusive do rei Louis XVI e sua mulher Maria Antonieta e dos revolucionários Marat e Robespierre. Em 1802 mudou-se para a Inglaterra e lá começou a exibir seus trabalhos, inicialmente em exposições itinerantes pelo país, e em 1835 num endereço fixo em Baker Street, a pouca distância do local onde hoje situa-se o famoso museu.

http://www.thefashionhall.com.br/wp-content/uploads/2013/03/madame-tussauds-london-united-kingdom.jpg


Buckingham Palace.
 


 O Buckingham Palace é a residência da Rainha de Inglaterra e é uma coisa bonita de se ver. Deve estar lá às 11:30 da manhã para ver a mudança da guarda, para assistir a troca da guarda precisa se posicionar bem se quer mesmo enxergar alguma coisa. O palácio tem três portões principais e a entrada dos regimentos é feita pelos portões laterais, assim se você quiser ver os soldados bem de perto procure se posicionar junto aos portões laterais. A cerimônia propriamente dita acontece no pátio frontal do palácio, que é separado do público por uma alta grade de ferro, assim, a não ser que você seja um convidado especial da rainha, terá que se contentar em assistir tudo por trás das grades. Mas a melhor hora é na saída, quando os regimentos desfilam atrás de uma banda de música. 





Tower of London. Na Torre de Londres pode ver as jóias reais da Inglaterra, os guardas típicos e ver onde os criminosos mais famosos da Inglaterra estiveram encarcerados. É caro fazer esta visita e as filas são longas, mas vale a pena.

http://goingtolondon.wikispaces.com/file/view/Tower_of_London.jpg/68022557/Tower_of_London.jpg



Visitar Londres é como visitar um lugar mágico e em cada esquina aparece algo novo, o ideal é ficar 1 mês para poder dizer que conhece um pouco, e infelizmente não fiquei este tempo todo, mas aproveitei bem o tempo em que fiquei por lá, visitei muitos lugares lindos e maravilhosos.
 Não deixe de visitar o Convent Garden, que está aberto todos os dias, mas aos domingos fica ainda mais animado. O prédio histórico deste antigo mercado tem atrações para toda familia, curiosidades, apresentações musicais, pubs, lojas de velas, artesanato etc.
Só conseguimos visitar a Westminter Bridge a noite e a foto não ficou muito boa, mas também é um cartão postal daqueles.






Temos a Abadia de Westminter, onde foram os celebrados os casamentos reais, além de muitos outros monumentos e passeios, quando eu puder voltar eu posto mais fotos!
Share on Google Plus

Um comentário:

Obrigada por comentar em meu Blog, sua visita é uma honra, caso deseje fazer alguma solicitação pode usar meu e-mail valladares@grupoliterarte.com.br