Por que me apaixonei pela Bahia?







Quando conheci a Bahia, senti uma energia diferente a cada passo que eu dava nesse lugar. Algo me consumia e me enchia de felicidade em cada ladeira, em cada esquina, em cada toque de sua gente alegre, em cada segundo que eu estava ali, e pensei comigo... um dia eu volto pra ficar!
Tentei driblar essa atração por 1 ano, entre idas e vindas, sobrevoando esse Estado que me seduziu e me fazia ficar alegre só em pensar que eu iria ali voltar a pisar, assim, decidi sair do Rio de Janeiro minha cidade natal, abandonar minhas raízes físicas e buscar minhas raízes ancestrais.
A Bahia e sua diversidade ética e cultural, o Estado mais negro fora da África em todo o mundo, com sua arquitetura religiosa, com ritmos oriundos das senzalas que se misturaram aos demais e formaram todo o movimento musical que provém desse lugar.
Seu carnaval tornou-se o maior do mundo, daqui também surgiu o Trio Elétrico, e danças únicas, como a Capoeira , originária do samba de Roda. Com seus movimentos ágeis, que mexem com todo o corpo todo,  mistura de dança e de luta. A diferença entre as outras lutas é que a capoeira tem todo aquele toque mágico, pois a  música vem dos instrumentos artesanais como o berimbau, pandeiro e atabaque. 
Em cada esquina se encontra uma baiana, tipicamente vestida, vendendo seu Acarajé, seu Abará, sua cocada, tratando os turistas com educação e carinho, coisas que só encontramos por aqui.
Seu povo tem um algo mais, não é o gingado dos quadris que seduz, é o brilho no olhar, o riso fácil, o abraço que parece não terminar nunca, a porta aberta de sua casa para lhe receber e lhe oferecer o que tem de melhor... Porquê? Por que para o baiano é assim, em sua casa, sempre cabe mais um, sempre sobra um cheiro e sempre se leva um axé.
Uma magia inexplicável corre em suas ladeiras, e mergulha nas águas mornas de seu mar esverdeado, que alimenta o povo e faz o sol brilhar mais forte por aqui.

A Bahia é a terra de todos os Santos, de todas as Cores, de todos os Mitos, de todos os amores. 
Terra de gente humilde, de solo regado de lutas e de vitórias, de um povo mais que vencedor, de um povo ousado como eles mesmo chamam aqui quem é de fora e chega abusado.
Bahia sedutora, da pele que brilha que contagia, que enebria uma multidão, quando na Castro Alves, a batida do Tambor sobrepõe a batida dos tamancos na ladeira.
Bahia que vaporiza no ar os encantos de todos os seus Santos, que ao contrário do que muitos pensam, vieram da África separados e aqui se encontraram em rituais sincretizados, e não teve jeito,na religião pelo menos, não aconteceu o separatismo, todas se unem, lavam as escadarias de Nosso Senhor do Bonfim e emocionam até mesmo quem como eu não tem religião nenhuma. 
Seu trânsito caótico, rege a cidade como uma melodia, nos prendendo para observar um pouco mais a sua beleza, a sua sinergia e a sua simpatia. De braços abertos aqui fui sempre recebida. Sinto saudades do RJ? Sim, não posso negar, minha família ficou lá, mas... não teve jeito, meu coração batucou mais forte, e não tive como negar essa atração. 
Por isso escolhi viver aqui! Axé! 

9 comentários:

Obrigada por comentar em meu Blog, sua visita é uma honra, caso deseje fazer alguma solicitação pode usar meu e-mail valladares@grupoliterarte.com.br

Negro ou Branco...Seja consciente!

" Negro é Negro, não existe negro claro ou negro escuro, 
nosso DNA se for consultado vem do mesmo lugar, 
não sejamos conscientes só hoje, 
negro é raça, é força, é luta é sobrevivência, mas é consciência todo dia! 
Seja de cabelo alisado, seja de cabelo enrolado, de olhos claros ou de olhos escuros
Negro é negro!
A consciência não é para sermos somente conscientes de sermos negros, isso já sabemos ... a consciência serve para mostrar que a luta continua, que a reparação se faz necessária... quantos de nós negros , nos dias de hoje , temos bisavós que foram doutores? Uma minoria... pq? Pq? Pq os pais e avós deles eram escravos e não tinham nem o direito de saber ler ou frequentar uma escola, por isso a reparação temporal se faz necessária . Não são os Brancos de hoje que inventaram toda essa história, essa cultura Branca, mas são os negros de hoje que precisam ser conscientes para que essa desigualdade seja reparada. Antes de mais nada , somos todos humanos.
Salve o Rei Zumbi dos Palmares !
Sou negra e me orgulho disso! Ninguém é melhor que ninguém!
Brancos lindos+ Negros Lindos + Orientais lindos = Povo lindo, terra povoada, miscigenação!
Me acho linda negra e quero continuar negra! Simples Assim!
‪#‎coinsciencia‬ ‪#‎negritudeaindaquetardia‬ ‪#‎adoronegros‬



1 comentários:

Obrigada por comentar em meu Blog, sua visita é uma honra, caso deseje fazer alguma solicitação pode usar meu e-mail valladares@grupoliterarte.com.br

Entrevista Publicada em Jornal Português - Izabelle Valladares

http://www.livroseleituras.com/web/index.php?option=com_content&view=article&id=1831:izabelle&catid=64:escritores&Itemid=175

Izabelle Valladares: "O maior desafio que enfrentei foi lançar o meu primeiro livro"

Avaliação: / 0
FracoBom 
alt
Izabelle Valladares nasceu em Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil, em maio de 1975. É autora dos romances “A cúpula das vaidades”, “O regresso de Atlântida”, “Ecstasy” e “A colecionadora de espíritos”, do livro de humor “Quem disse que só fazemos amor?” 1 e 2, e dos livros infantis “Heitor Flexter, o menino herói”, “A viagem mágica de Bia e Dora”, “A viagem da chuva” e “Crónicas de Tartan”, além de participar e organizar dezenas de antologias. Alguns dos seus livros estão publicados em Português, Espanhol, Inglês e Francês. O seu documentário “Os maiores crimes de todos os tempos”, escrito em coautoria com Janduí Macedo, ganhou o prémio Interarte 2011, de melhor documentário criminal, da Academia de letras de Goiás. É presidente da Literarte – Associação Internacional de Escritores e Artistas e participa em eventos literários no Brasil e um pouco por todo mundo.
Livros & Leituras – Que significado tem para si o ato de escrever e a partir de que altura este se tornou “profissional”? 
Izabelle Valladares – Tenho uma relação muito íntima com a escrita, pois sou neta de um grande jornalista brasileiro que ganhou o mais importante prémio do Jornalismo no Brasil, o Prémio Esso, e desde muito pequena convivo com as letras de forma harmoniosa, o que não teria como não acabar numa grande paixão. Escrevo profissionalmente desde 2009 e desde então vivo apenas da venda dos meus livros.
L&L – É preciso ser um bom leitor para se ser um bom escritor?
IV – Acredito que sim.
L&L – O seu trabalho é versátil ou, pelo contrário, tem um estilo muito próprio e facilmente identificável pelos leitores?
IV – O meu trabalho é versátil no género, tenho livros muito distintos, escrevo para crianças, adolescentes e adultos, mas todos com características próprias, principalmente os contos, que, aliás, sou apaixonada por contos e a maioria segue um mesmo estilo com tendência a finais infelizes.
L&L – Áreas como, por exemplo, a ilustração e a música têm vindo a afirmar-se na sua relação com a Literatura. Como encara esse facto?
IV –  Acho que as artes de modo geral se entrelaçam, quando ouvimos uma música, ou uma poesia, facilmente nos transportamos para algum lugar, o mesmo acontece nas ilustrações, como quando criamos uma poesia para uma fotografia ou uma obra de arte, acho que esta ligação automática acaba sendo esta relação também com as ilustrações.
L&L – A tradição oral representa, nalguns países da lusofonia, uma importante marca de identidade cultural. A globalização e a dificuldade em editar podem ser uma ameaça à perda desse património?
IV – Acho que os países lusófonos devem manter suas características linguísticas como mantêm as culturais, não sou a favor da reforma ortográfica, acho que a dificuldade de editar acaba até atrapalhando um pouco, pois se houvesse a unificação, seria mais fácil de vender os livros em todos os países lusófonos, mas, também acho que perder a identidade perde o sentido de cultura de cada país, e as diferenças acabam sendo um charme a mais na leitura e uma nova opção de aprendizado.
L&L – A Língua Portuguesa é uma mais-valia no panorama literário mundial? 
IV –  Acho que o escritor lusófono de forma geral está pouco valorizado, pois os livros estão pouco valorizados, e como as editoras comerciais estão cada vez mais raras, a cada dia que passa vemos escritores se auto-publicando apenas pelo fato de terem seus trabalhos lidos, ou fecham contratos absurdos com editoras gananciosas com um lucro estimado entre 3 e 6% da obra, aceitando as regras, mesmo estas sendo absurdas. Acredito que o escritor de Língua Portuguesa faz valer a mais-valia a partir do momento em que ele valoriza a sua mão-de-obra para chegar ao valor final de um livro, e não quando este se vende em contratos infames.
L&L – Quais os seus escritores lusófonos favoritos e porquê?
IV – Jorge Amado, por retratar fielmente a realidade do povo com linguajar simples e alcançando todas as classes.
L&L – Ao nível da Literatura, que medidas poderão ser implementadas para que o universo lusófono seja uma realidade mais coesa entre escritores de diferentes nacionalidades?
IV – Acho que as medidas já estão sendo tomadas pelos líderes de Associações de Escritores que unidos fazem este intercâmbio línguístico sair do papel e conseguem mostrar a identidade literária da sua nação, além de formar livros cooperados que difundem não só a língua mas também os autores em outros países que não os da sua origem.
L&L – A Internet e os recentes suportes informáticos contribuem para o reforço e promoção do seu trabalho?
IV – Certamente, é o principal veículo de divulgação.
L&L – Qual o maior desafio que já enfrentou ou que gostaria de enfrentar em termos profissionais?
IV –  O maior desafio que enfrentei foi lançar o meu primeiro livro, e o que gostaria de enfrentar seria montar bibliotecas comunitárias em diversos países realmente carentes de educação.

*Entrevista realizada no âmbito do “Munda Lusófono – 1º Encontro Literário de Montemor-o-Velho”

0 comentários:

Obrigada por comentar em meu Blog, sua visita é uma honra, caso deseje fazer alguma solicitação pode usar meu e-mail valladares@grupoliterarte.com.br

Parceiro tem Número? E onde foi parar o cavalheirismo no século XXI?






Parceiro tem Número? E onde foi parar o cavalheirismo no século XXI?

 

Falar sobre comportamento social masculino, é simplesmente aterrorizador, uma vez que as camadas da sociedade se dividem hoje em diversas subdivisões de casais heteros e homossexuais, mas, sem criar clichês sexuais, acompanho essa evolução, por observar o comportamento que os homens tendem a ter com as mulheres, e é fato comprovado... Mulher gosta de ser mimada, admirada e observada, e talvez por isso, muitos homens hoje em dia, ditos machões, estão perdendo suas mulheres para homens cheios de sensibilidade e também para outras mulheres.
A Falta de cuidado com nós mulheres, parte do princípio de nossa independência e os homens muitas vezes acham que por sermos independentes, não precisamos de galanteios e gentilezas até mesmo sociais.

Quando nos desejam, o olhar segue os movimentos de nosso corpo, quando acham que o território está marcado tudo isso muda (Com algumas exceções!), e quando conseguimos por algum tempo nos relacionar com um homem gentil e educado, logo em seguida nosso radar nos impede de cair esse padrão e o mais assustador disso tudo é quando nos vemos sozinhas e vemos que aquele tipo que conviveu com você, é uma peça rara hoje em dia. Pois bem! Isso é fato!

Fiquei casada alguns anos e voltando ao mercado das mulheres solteiras, acima dos 30 anos principalmente, observo que existe uma nebulosidade no ar, os homens têm medo de serem gentis demais e parecerem idiotas, as mulheres em enorme desvantagem no mercado hoje, afetado tanto pelo número maior de fêmeas quanto o crescimento exagerado da homossexualidade se veem na missão quase impossível de agradar o parceiro, como se este fosse um prêmio em sua vida, mas... que prêmio é esse que vem cheio de defeitos, usado pra caramba e ainda se achando? Não é porque somos mulheres independentes que não queremos ser buscadas em casa, receber flores, sermos elogiadas e notadas todos os dias, não apenas em dia A ou B. E percebe-se que muitos Homens até gostariam de ser mais gentis, mas não o fazem por medo das mulheres achá-los antiquados.
O toque não pode ser somente com conotação sexual, o toque é matéria prima do dia-a-dia e esse pode acontecer quando simplesmente uma xícara de café é passada para suas mãos, ou quando seu cabelo insiste em ficar do lado errado e sutilmente ele ajeita para você, ou seja... pequenos movimentos que podem nos conquistar ou simplesmente na total falta de observação do homem para a mulher, fazer com que o homem seja descartado.
Mulheres que se sujeitam a situações desagradáveis por não saberem dizer “não”. Sei que muitos discordam, mas eu ainda insisto (e pela minha experiência afirmo com muita propriedade e estatísticas de alguns relacionamentos sérios) que no terreno da conquista, do relacionamento amoroso, vale ainda o instinto animal:
Mulheres gostam de ser cortejadas, bem tratadas, receber atenção, carinho, presentinhos, flores, telefonemas, terem namorado que as busque em casa, abra a porta do carro, pague a conta do restaurante e do cinema, enfim, que faça o seu papel de homem como era feito antigamente, sem medo de ser feliz.





Em troca, os homens ficam muito agradecidos por terem ao seu lado mulheres femininas, educadas, delicadas, elegantes, carinhosas, fortes para segurar a onda quando eles fraquejam, lindas, cuidadas, competentes, mãezonas e também boas profissionais das quais possam se orgulhar no mundo moderno.

Criticar é sempre mais fácil que agir.
Sou independente, mas como eu queria que tivesse a opção de escolha quando mais jovem de não trabalhar e ficar em casa cuidando das minhas filhas com um marido que suprisse todas as necessidades (Não confundir com luxos) e me deixasse gerir apenas a vida familiar, hoje... essa opção é quase inválida, pois estaremos nos autoflagelando a vida inteira por não ter feito uma faculdade, por não estar de carro zero, por não ter o pau para dar na mesa no sentido figurado da questão.
Tenho a mais absoluta certeza de que aqueles (as) que sabem encontrar um equilíbrio nestas ações, não exagerando nem para um lado nem para o outro,
São pessoas muito mais acertadas e com relacionamentos mais gratificantes do que aqueles que vão pelos modismos e caem em extremos de comportamento, querendo assumir um papel que não lhe pertence e que não por raras vezes causa angústia ao invés de felicidade.



Não abrir mão de ser feliz, implica em saber escolher muito bem quem vai cuidar de você, e hoje acho que essa é a maior busca da mulher, independentemente de sua posição social, queremos ter o orgulho de ter um homem que cuide de nós, onde quer que estejamos, que se preocupe se está chovendo e você ainda não voltou, que mesmo que vá tomar um chopp com os amigos tenha o cuidado de te ligar e saber se você está bem e se está no mínimo pensando nele, que tenha a ousadia de lhe presentear com roupas íntimas que sejam do seu agrado e do dele, te mostrando que você é a fêmea dele e que  te fale mil vezes o quanto você é importante, que te surpreenda com cafés na cama e que se ofereça até para lavar seus cabelos em um dia pesado de stress no trabalho, enfim, que faça por nós, o mesmo que querem receber de uma mulher, atenção, carinho, exclusividade e amor, sem se preocupar com Tabus e Preconceitos, e nós mulheres, antes de se entregar em uma escolha que visivelmente não será saudável em sua vida pessoal e futura, amplie seu filtro de escolhas, afinal, ninguém que é mais ou menos no início vai virar "Top"  depois, é sempre o contrário, então que possa afinar a peneira e não se envolver em relações que podem só ferir seu ego futuramente com ciladas do tipo: " Ai que inveja do marido alheio" , isso não vai existir se souber escolher com cuidado o seu Parceiro Perfeito. Não se iluda por carência, Parceiro não tampa Buraco, é parceiro no verdadeiro sentido da palavra. Parceiro tem Número! Sim afirmo... Parceiro é como sapato, não adianta colocar o grande no pé pequeno e não adianta colocar o pé pequeno no sapato grande, busque seu número perfeito, veja se é confortável, se agrada seus olhos e principalmente sua anatomia. Não pense nele como um bico fino que vai usar por meia hora, pense em sua situação se precisar ficar com ele no pé o dia todo e só assim leve para sua casa, pois uma vez lá, não terá como colocar de escanteio pois vai ocupar espaço, então, ache seu número e permita-se ser feliz! Just it! 

3 comentários:

Obrigada por comentar em meu Blog, sua visita é uma honra, caso deseje fazer alguma solicitação pode usar meu e-mail valladares@grupoliterarte.com.br

Hora do desapego


Há poucos dias anunciei em um site a locação de minha casa, totalmente mobiliada, com utensilios roupas de cama, objetos pessoais, levando apenas minhas roupas e as fotos da minha família e muitas pessoas me ligaram interessadas e algumas foram visitar o imóvel pessoalmente, uma dessas pessoas, sentou-se em minha cozinha comigo para tomar um café e me disse:
_ Que triste para você ir embora e deixar para trás suas coisas, tudo tão novinho! E suspirou fundo, lamentando o que pra ela seria uma desventura em minha vida.
Respondi a ela que não via aquilo como uma lastima ou algo que alguém devesse ter pena, muito pelo contrário, já passei por situações parecidas outras vezes e garanto, todas elas foram para mim um grande aprendizado.
Já morei no Chile e tive que ir embora sem nada e sem deixar nada para um dia voltar ou simplesmente guardar,apenas levando o que sobrara da minha família, pois uma parte dela ficaria para sempre no Chile e para sempre seria parte da minha historia, quem leu A cúpula das vaidades, conhece essa história, e foi com essa bagagem que saí de lá, sem pagar excesso, sem escolhas, somente desapegando de tudo, e dali em diante entendi o quanto são banais as expectativas que deixamos nos bens materiais, no apego que temos a coisas tão pequenas que não deveriam nem fazer parte do que um dia achamos ser nossa receita de felicidade. 
Mudar para mim é algo que me inspira, renova minha energia, me traz novos sonhos, e com certeza quem for ocupar a minha casa virá com essa mesma vontade de ser feliz e trará nova energia a esse lar que me trouxe tanta felicidade no tempo dele, mas, o tempo dele para mim já passou, e agora quero novos ares, levo comigo apenas a certeza que os sonhos viajam conosco para qualquer lugar, que nada nem ninguém, pode ser ancora quando ousar voar, as portas e oportunidades se abrem, algumas renuncias são feitas, é verdade, mas faz parte do aprendizado, é necessário desapegar do material para se entender e se conhecer. Minha experiência de vida me levou a entender que só faz parte da sua existência aquilo que se carrega no peito, aquilo que tatua sua alma, objetos são futilidades que o tempo se encarrega de destruir, as emoções carregamos conosco, a sensação de realização não está no bem que você conquista está na sensação de realizar algo que te faz bem, e essa sensação é individual e inexprimível. Por isso estou partindo. Meus sonhos não cabem mais no meu lugar, minha alma não cabe mais nessa casa, meu lar é meu corpo, meu templo é onde eu posso ser plena, onde eu posso ser só eu, ou posso ser quem eu desejar ser...que venham os desafios, estou sem peso para carregar, mas com a alma repleta de bagagens que me fizeram melhor. Sem apego!

1 comentários:

Obrigada por comentar em meu Blog, sua visita é uma honra, caso deseje fazer alguma solicitação pode usar meu e-mail valladares@grupoliterarte.com.br

Programação Literarte Foz do Iguaçu e Apresentação dos Artistas da enciclopédia Luso- Italiana!

A Literarte estará nos dias 14, 15 e 16 de Agosto na Cidade de Foz do Iguaçu - Paraná, para o Lançamento da Enciclopédia Luso Italiana organizada pela Literarte . 
Nossa Programação terá início na Sexta-feira com um maravilhoso Café colonial servido no Hotel Bella Itália à partir das 19 h 



No sábado dia 15 de Agosto teremos a fantástica Noite Italiana com o lançamento de Nossa Enciclopédia Italiana
Noite Italiana em Foz do Iguaçu


No Domingo teremos a entrega das Comendas Leonardo da Vinci, além de um cocktail com Sarau e muita música no Lobby do Hotel, com início á 16:00 

Participam desta Enciclopédia os Seguintes Artistas

































No domingo nosso

0 comentários:

Obrigada por comentar em meu Blog, sua visita é uma honra, caso deseje fazer alguma solicitação pode usar meu e-mail valladares@grupoliterarte.com.br