Hora do desapego


Há poucos dias anunciei em um site a locação de minha casa, totalmente mobiliada, com utensilios roupas de cama, objetos pessoais, levando apenas minhas roupas e as fotos da minha família e muitas pessoas me ligaram interessadas e algumas foram visitar o imóvel pessoalmente, uma dessas pessoas, sentou-se em minha cozinha comigo para tomar um café e me disse:
_ Que triste para você ir embora e deixar para trás suas coisas, tudo tão novinho! E suspirou fundo, lamentando o que pra ela seria uma desventura em minha vida.
Respondi a ela que não via aquilo como uma lastima ou algo que alguém devesse ter pena, muito pelo contrário, já passei por situações parecidas outras vezes e garanto, todas elas foram para mim um grande aprendizado.
Já morei no Chile e tive que ir embora sem nada e sem deixar nada para um dia voltar ou simplesmente guardar,apenas levando o que sobrara da minha família, pois uma parte dela ficaria para sempre no Chile e para sempre seria parte da minha historia, quem leu A cúpula das vaidades, conhece essa história, e foi com essa bagagem que saí de lá, sem pagar excesso, sem escolhas, somente desapegando de tudo, e dali em diante entendi o quanto são banais as expectativas que deixamos nos bens materiais, no apego que temos a coisas tão pequenas que não deveriam nem fazer parte do que um dia achamos ser nossa receita de felicidade. 
Mudar para mim é algo que me inspira, renova minha energia, me traz novos sonhos, e com certeza quem for ocupar a minha casa virá com essa mesma vontade de ser feliz e trará nova energia a esse lar que me trouxe tanta felicidade no tempo dele, mas, o tempo dele para mim já passou, e agora quero novos ares, levo comigo apenas a certeza que os sonhos viajam conosco para qualquer lugar, que nada nem ninguém, pode ser ancora quando ousar voar, as portas e oportunidades se abrem, algumas renuncias são feitas, é verdade, mas faz parte do aprendizado, é necessário desapegar do material para se entender e se conhecer. Minha experiência de vida me levou a entender que só faz parte da sua existência aquilo que se carrega no peito, aquilo que tatua sua alma, objetos são futilidades que o tempo se encarrega de destruir, as emoções carregamos conosco, a sensação de realização não está no bem que você conquista está na sensação de realizar algo que te faz bem, e essa sensação é individual e inexprimível. Por isso estou partindo. Meus sonhos não cabem mais no meu lugar, minha alma não cabe mais nessa casa, meu lar é meu corpo, meu templo é onde eu posso ser plena, onde eu posso ser só eu, ou posso ser quem eu desejar ser...que venham os desafios, estou sem peso para carregar, mas com a alma repleta de bagagens que me fizeram melhor. Sem apego!

1 comentários:

Obrigada por comentar em meu Blog, sua visita é uma honra, caso deseje fazer alguma solicitação pode usar meu e-mail valladares@grupoliterarte.com.br